16 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

25/01/2013
Lucia Masini
Um mundo invisível na era da comunicação sem limites

Mario Vargas Llosa; Eliane Brum; Paolo Giordano; Catherine Dunne e outros

Um garoto promove um massacre numa escola nos EUA. Quase que imediatamente toda a população mundial acompanha mais esse drama americano e se divide entre opiniões e soluções para o problema. Quase 15 milhões de pessoas, no mundo, com maior concentração na Bolívia, estão infectadas com doença de Chagas, e muita gente nem sabe o que é isso.

Casos de detenção temporária de turistas, nos setores de imigração de aeroportos de diversos países, são noticiados e comentados constantemente na mídia mundial. Nem uma linha é divulgada sobre a condição humilhante dos imigrantes ilegais presos na Grécia por meses a fio, sem perspectiva de solução do impasse.

Espalha-se a boa notícia de que a AIDS mudou seu status de doença letal para crônica, controlada por uma combinação de remédios cada vez mais potentes, mas não se divulga nada sobre a falta de pesquisas e desenvolvimento de novas ferramentas de combate à doença adaptadas às necessidades das populações mais carentes do planeta: na África, ainda são milhões de pessoas condenadas à morte por terem contraído o vírus HIV.

O mundo, na era da comunicação ilimitada, parece desconhecer ou fechar os olhos para realidades cruéis como essas. Foi por esse motivo que a organização Médicos Sem Fronteiras, a MSF, convidou nove escritores de diferentes nacionalidades para conhecerem seus projetos, em diferentes partes do mundo, e escreverem sobre essas experiências. O resultado disso está em Dignidade!, livro originalmente italiano, que foi editado no Brasil pela Leya, em 2012. São nove escritores consagrados, dentre eles, a nossa Eliane Brum, uma das mais premiadas jornalistas brasileiras. O objetivo do livro é o de divulgar, para um maior número de leitores, aquilo que a mídia internacional insiste em desconsiderar: o sofrimento de milhões de pessoas por questões sociais negligenciadas, muitas vezes, provenientes de interesses econômicos escusos.

Com muita sensibilidade, cada escritor revela, em relatos ou narrativas comoventes, o drama de pessoas no Congo, na Bolívia, na Índia, na Grécia, na África do Sul e em outras regiões esquecidas do mundo globalizado onde os profissionais da MSF vivem situações-limite com o intuito de trazer esperança à vida árida das populações mais carentes do planeta.

São textos que nos tiram o fôlego. As equipes da MSF trabalham incansavelmente sem discriminar raça, condição social, religião ou doença contraída. Aliás, essa parece ser sua principal meta: mostrar às diferentes populações que a doença, seja ela qual for, não pode ser metaforizada, entendida pelo doente e pelos demais como um castigo ou sina pessoal. Tem de ser conhecida, tratada e, quando possível, erradicada. E a maior batalha desses profissionais ainda tem sido contra os preconceitos que cercam as doenças e que impedem o cuidado digno e necessário a todos.

O livro é de leitura obrigatória e nos convoca a tomar algumas decisões porque nos ensina que todo sofrimento pode ser minimizado e que todos temos como contribuir. A MSF atua nos locais mais necessitados e esquecidos do planeta. Mas a escala de sofrimento é grande e bem do lado de cada um de nós há alguém ou um grupo necessitando de acolhimento, reconhecimento e ajuda.

Que tal iniciar o novo ano com atitudes mais solidárias que podem fazer a diferença?

Dignidade!
Nove escritores vivenciam situações-limite e relatam o comovente trabalho da organização Médicos Sem Fronteiras – Mario Vargas Llosa; Eliane Brum; Paolo Giordano; Catherine Dunne; Alicia Gimenez Bartlett; James Levine; Esmahan Aykol; Tishani Doshi; Wilfried N’Sondé

Editora Leya, 2012.


Voltar

Compartilhe: