16 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

20/05/2013
Claudia Perrotta
Teatro: Coro dos Maus Alunos

Direção: Soledad Yunge e Tuna Serzedello - Cia Arthur-Arnaldo

"E um a um fomos sendo chamados”, enunciam em coro os seis alunos de uma escola qualquer, vestidos a caráter: camiseta branca, calça azul marinho, uniforme. A expressão estampada em seus rostos adolescentes é de temor, por vezes de terror. O inquérito foi instalado, e todos foram convocados a depor.
Por que chegaram ao limite? Por que teriam passado dos limites, destruindo a sala do diretor, quebrando caras e braços dos professores, em especial de matemática, pixado paredes, muros e até usado uma arma?
“Coro dos maus alunos”, encenada pela Cia Arthur-Arnaldo, tenta responder a essas perguntas, dando voz aos protagonistas, que contam com suas palavras como tudo começou: o encantamento com o novo/velho professor de filosofia, o único que realmente chamavam de professor, por ser digno do título, que buscava, em suas aulas, instigar à reflexão – queria que seus alunos sentissem na pele, experimentassem de verdade o que está nos livros, questionassem as teorias, e para isso, usava o método socrático. Dúvidas e mais dúvidas, questionamentos infindáveis da lógica vigente. Só sei que nada sei levado às últimas consequências, com direito à filmagem pelo celular e postagem imediata no youtube.
A peça faz referência a filmes clássicos de escola: professores revolucionários influenciando alunos antes passivos e que se tornam então insubmissos. Não faltam exemplos de finais trágicos, em que boas intenções, ou nem tanto, saem do controle dos mestres: Sociedade dos Poetas Mortos, A Onda... E também aqueles em que professores se mostraram firmes na tarefa de transformar alunos indisciplinados: Ao Mestre com Carinho, Escritores da Liberdade (comentado nesta seção). “Coro dos maus alunos” está no primeiro time, e deixa muito claro o quanto o tema continua atual, mesmo diante de projetos de escola que prometem revolucioná-la. Os conflitos se repetem, e o desinteresse pelos conteúdos, ainda disseminados em sua maioria de forma tradicional, parece afastar cada vez mais os jovens das salas de aula: “pesquisas europeias mostram que quase um terço dos alunos de ensino médio preferiria não ir à escola, 60% dizem que ‘contam os minutos’ que faltam para acabar a aula e 20% dos estudantes entre 12 e 16 anos não têm motivação para nenhuma matéria do currículo” (trecho do livro de Álvaro Marchesi, educador espanhol, O que será de nós, os maus alunos?, citado no encarte da peça).
No Brasil, como todos sabem, não é diferente; na verdade, a situação é ainda mais grave: com a taxa de 24,3%, a terceira maior de abandono escolar entre os 100 países com maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), ficamos atrás apenas da Bósnia Herzegovina (26,8%) e das ilhas de São Cristovam e Névis, no Caribe (26,5%). Ou seja: um a cada quatro alunos que inicia o ensino fundamental no Brasil abandona a escola antes de completar a última série (Relatório de Desenvolvimento 2012, divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - Pnud).
As causas, obviamente, são várias, mas a peça busca emoldurar as enormes contradições de um sistema escolar que ainda se mantém com uma estrutura disciplinar típica do século XIX, diante de jovens cada vez menos obedientes e plugados nas mais modernas tecnologias. É nesse cenário que surge o professor - convicto na intenção de confundir antes de explicar, avesso à hipocrisia, ganha o grupo, que busca então formas de se expressar. Em tempos de medicalização, quando já há estudos (americanos, diga-se) propondo drogas específicas para “curar” adolescentes, de modo a conter justamente o que torna esse momento da vida tão rico e controverso, de fato, o professor é um alento. Mas até que ponto ele se comprometeu com seus alunos, implicou-se verdadeiramente nessa confusão, a princípio, saudável, que neles fomentou?
Contando com ótimos atores, e direção primorosa de Soledad Yunge e Tuna Serzedello, “Coro dos maus alunos” encanta pela precisão do jogo cênico, e inquieta pela temática emoldurada, na medida, no texto do dramaturgo português Tiago Rodrigues.
Pais, educadores, terapeutas, um a um, vamos sendo chamados a pensar, mas sem qualquer pretensão de encontrar respostas...

Coro dos Maus Alunos
Cia. Arthur-Arnaldo
Oficina Oswald de Andrdade/Bom Retiro
3/5 a 22/6 – sextas-feiras – 20h | sábados – 19h
Classificação: livre
40 lugares (retirar convites com meia hora de antecedência)


Voltar

Compartilhe: