16 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

04/02/2010
Equipe
Mais uma polêmica no Enem: quais os critérios para avaliar a redação?

Alguns estudantes que prestaram o Enem estão contestando, inclusive judicialmente, as notas de suas redações. Como prova de que ocorreram equívocos por parte dos avaliadores, apresentam as altas notas que obtiveram em outros exames e até pareceres de professores de português, que leram e avaliaram positivamente os rascunhos das produções desses alunos.
A questão é bem complicada, pois a redação será o primeiro critério de desempate no SiSU - Sistema de Seleção Unificada. Para quem não sabe, o SiSU é o sistema informatizado através do qual serão selecionados os futuros alunos das instituições públicas que optaram pelo Enem.
Como resolver esse impasse? Quem está com a razão? A resposta não é tão simples como pode parecer...
Embora existam sim parâmetros objetivos para avaliar uma redação, como: não fugir do tema e do gênero propostos, não cometer erros ortográficos e/ou gramaticais gritantes, manter um texto coeso, com progressão temática, etc., há muitos outros que dizem respeito ao contexto de produção e à subjetividade do corretor.
Sem desconsiderar que podem ter havido problemas de correção no último Enem, como esses apontados pelos candidatos, é importante pensarmos um pouco sobre a subjetividade que envolve a escrita.
Certamente, muitos já viveram a experiência de não conseguir desenvolver bem um texto quando o tema proposto é pouco conhecido. Nessas horas, geralmente, perdemos muito da desenvoltura, pois nos faltam informações, repertório e até a segurança necessária para uma boa redação. O mesmo acontece quando o tema surpreende pela estranheza, exigindo muita reflexão em um momento tenso como é a situação do vestibular. Por vezes, falta ao candidato tempo para digerir a proposta, organizar as ideias, rascunhar, até chegar a um produto final não só com acabamento, mas que se diferencie pela criatividade. Ou seja: escrever bem não é um valor absoluto! Não se trata de um desenvolvimento linear e há muitas circunstâncias que podem ser determinantes – facilitadoras ou não – para uma redação de qualidade.
E há também a subjetividade do corretor. Obviamente, aqui, todos esperam que aqueles critérios mais objetivos sejam observados, e que o grupo de corretores seja treinado para segui-los. Não se pode zerar uma redação em que o estudante não tenha saído do tema e do gênero, cometido erros graves de português e não tenha manifestado opiniões incoerentes, preconceituosas ou que firam valores universais. Porém, textos com começo, meio e fim, com formatos e abordagem do tema previsíveis podem sim perder pontos, enquanto aqueles que mostram mais do que competência para escrever ganham.
Resumo da ópera: não basta dominar as especificidades do gênero argumentativo-dissertativo, solicitado nos vestibulares. Embora esse domínio seja fundamental, depois de uma pilha de mesmices, os corretores esperam ser surpreendidos por textos que revelem autoria; isto é, apresentem densidade no desenvolvimento das ideias, com liberdade e vivacidade. E essas qualidades não estão presentes nos modelos de redação disseminados na preparação para o vestibular.
Não há de antemão, portanto, um lado que esteja certo nesta polêmica, pois tanto a produção de um texto quanto sua leitura e avaliação fazem parte de um processo delicado: trata-se de um encontro entre autor e leitor pautado na tarefa de avaliar para classificar, selecionar. E sem a possibilidade de um diálogo que dê conta de conferir o que cada um compreendeu a respeito do discurso do outro.
Neste momento em que tantas mudanças têm sido propostas nos vestibulares, não seria o caso de também se rever o papel da redação?


Voltar

Compartilhe: