16 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

03/05/2012
Claudia Perrotta
Livro infantil: Felizes quase sempre

Antonio Prata e Laerte, Editora 34, 2012


“Tristeza não tem fim
Felicidade sim”... mas e se não fosse assim? E se a máxima que fecha os contos infantis de fato se realizasse e nossos heróis e heroínas, príncipes e princesas fossem felizes para sempre?
Bem, o primeiro dia “feliz para sempre” foi mesmo inesquecível para a princesinha desta deliciosa história contada por Antonio Prata e ilustrada pelo cartunista Laerte. Dormir até tarde, acordar com o sol brilhando na janela, passar o dia à toa, com tempo livre para fazer o que ela e seu amado príncipe encantado bem entendessem, sem nenhuma obrigação a cumprir, nem a de escovar os dentes ou tomar banho. Afinal, os que são felizes para sempre têm dentes autolimpantes, e a sujeira não gruda na pele!
Quem já não sonhou com essa vida paradisíaca, com férias eternas, sem problemas ou compromissos a cumprir? Pois é, a princesa e o príncipe desta história estavam mesmo curtindo adoidado, só comendo salgadinhos e brigadeiro, jogando videogame, assistindo filmes, pulando na cama elástica, correndo pelo gramado, de papo para o ar. Quando a noite vinha, dormiam abraçados, sonhando que tudo isso se repetiria no dia seguinte, e no outro, e no outro, e no outro...
E não é que o sonho se tornou realidade? Os próximos mil dias foram os mais felizes de que se têm notícia. Sol brilhando no céu azul, passarinhos cantando, todos os brinquedos à disposição, videogame, filmes, cama elástica, salgadinhos, brigadeiro... Um verdadeiro paraí.... Não! Um verdadeiro TÉDIO!!! Os dois começaram então a se sentir completamente aprisionados nessa vida tão monotonamente feliz.
Irritados, mal-humorados, começaram a se lembrar dos reveses de antigamente: das picadas de mosquito, do choro sofrido depois da injeção dolorida, dos dias nublados, da chuva que estragou o piquenique e coisas assim.
O que fazer? Encontraram então uma solução inusitada: decidiram convocar todos os outros “felizes para sempre” para uma assembleia em busca de alguma ideia para reverter a situação. Não faltou ninguém: Chapeuzinho e a vovó, os 7 anões, a Bela, o caçador, a Rapunzel, o cavalo branco do príncipe encantado... Descobriram que “a infelicidade com a felicidade era geral”! Cinderela, por exemplo, estava bem cansada de seus sapatinhos de cristal e daquela vida tão delicada quanto.
A essa altura, todos estavam mesmo desesperados, e por isso a primeira sugestão foi a de chamar novamente os vilões, para trazer algum risco de volta. Felizmente, ninguém topou – vovozinha não queria nunca mais passar horas na barriga de um lobo mau, a Bela Adormecida maldizia os dias em que só dormira profundamente, os anões não pretendiam voltar a entoar aquela musiquinha irritante, “eu vou, eu vou, pra casa agora eu vou”..., e nenhuma princesa queria ter de encarar madrastas vaidosas e loucas. Não, isso não!, gritaram em coro
Foi então que a nossa heroína, a princesinha, teve uma ideia realmente genial. Mas não vamos estragar a graça da história, continuando a narrá-la, não é?
Inúmeras são as paródias dos contos infantis, que se propõem a com eles dialogar, recriando sentidos nesse jogo de intertextualidade que certamente ainda terá vida longa, como o livro “Chapeuzinho Amarelo”, de Chico Buarque, e também o filme atualmente em cartaz “Espelho, espelho meu”. Não faltam exemplos, e isso mostra o quanto essas histórias clássicas, de tradição oral, ainda povoam nosso imaginário, certamente por tocarem em questões muito humanas, como o medo, a crueldade, a inveja, o abandono, o preconceito, e tantos conflitos que nos igualam, independente de nossas diferenças culturais.
Em “Felizes quase sempre”, a brincadeira é com esse lugar comum que fecha as inúmeras e modernas novas versões, lembrando que os contos originais, que datam do século XVII, não eram adeptos de finais felizes. O lobo realmente esquartejava e comia a vovozinha, e depois, de sobremesa, deliciava-se com a Chapeuzinho, sem nenhum caçador para salvá-las desse destino cruel. Não havia, portanto, apaziguamentos ou lições de moral.
Aqui, Antonio Prata e Laerte partem dos estereótipos, desde o era uma vez, passando por carruagens, cavalos brancos, castelo, até a resolução do conflito pelo herói, no caso heroína. Quebram, porém, alguns paradigmas: o príncipe encantado é negro, e quem tem a ideia genial é a garota, a princesinha. Trazem também elementos contemporâneos em meio aos antigos – para saber os nomes dos personagens “felizes para sempre” a serem convocados para a assembleia, o príncipe e a princesa fazem uma busca na internet e enviam emails. Na ilustração de Laerte, bastante orgânica com o texto, temos um teclado com elementos das histórias clássicas (coroa, pergaminho, maçã, espada, harpa), movido à manivela, com um pombo correio dele saindo e portando uma cartinha no bico.
Nessa brincadeira, quebram também o paradigma da infelicidade – em vez de vítimas da crueldade da madrasta invejosa, da voracidade do lobo, em vez de abandonados na floresta e de bruxas capciosas disfarçadas de velhinhas bondosas, nossos personagens são brindados com situações frustrantes bem prosaicas, como braço quebrado, abelhas no refrigerante, coco de cavalo, dias chuvosos, gripe estragando o final de semana. Ou seja, nada de grandes desgraças protagonizadas pelos vilões, apenas aqueles reveses bem comuns em nosso dia a dia...
É livro para ser deliciado junto com os pequenos, além de abrir campo para inúmeras viagens, desde aquelas que retomam a estrutura dos contos infantis até as inúmeras formas de quebrá-la; inclusive, como nesta história, criando uma interlocução muito divertida entre personagens e autor, que pode levar a uma reflexão bem interessante e fértil sobre a arte de criar/escrever histórias. Uma graça, realmente!


Voltar

Compartilhe: