15 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

Inclusão escolar é muito mais do que aceitar a matrícula de um estudante com necessidades especiais

Verdade

Não basta aceitar a criança ou o adolescente com necessidades especiais para que a escola seja considerada inclusiva. É necessário que ela tenha não só uma estrutura física adequada, mas, sobretudo, uma compreensão de todos os aspectos que possibilitam a integração do deficiente no cotidiano escolar. Isso envolve uma preocupação com o material didático, com as atividades de classe, com a observação do recreio, hora do lanche, entre outras. É fundamental assumir que é a escola que deve se adaptar ao estudante e não o contrário. Apenas garantir que o portador de necessidades especiais esteja dentro da sala de aula caracteriza uma falsa inclusão ou inclusão perversa. Diferenças precisam ser entendidas como próprias do sujeito e não simplesmente como incapacidades toleradas.
É bom lembrar que não só os portadores de necessidades devem ter suas particularidades contempladas no espaço escolar, mas todas as crianças.

Vale a dica: Vocês que são pais de uma criança deficiente e buscam uma escola para seu filho, não se contentem apenas com o fato de a escola aceitar matriculá-lo. Procurem saber se os professores e outros profissionais têm conhecimento sobre a deficiência em questão e suas necessidades. Fiquem atentos ao material didático disponibilizado, às estratégias de integração no grupo de estudantes e também à adequação do espaço físico. É o conjunto de todos esses aspectos que levará a uma inclusão de fato.

Para aprofundar o tema clique aqui
.


Voltar

Compartilhe: