15 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

22/10/2009
Jason Gomes e Claudia Perrotta
Filme: Up - Altas Aventuras

direção de Pete Docter

Up - Altas aventuras, a mais nova animação da Pixar, com direção de Pete Docter e roteiro de Bob Peterson, sensibiliza o público com a história da amizade entre Carl Fredricksen, um vendedor de balões de 78 anos de idade, e Russell, um garotinho de apenas 8. O filme chegou a ser desacreditado por analistas da indústria cinematográfica, pelo fato de ser estrelado por um velhote, mas, mais uma vez, em associação com a Disney Pictures, a Pixar mostrou a que veio. Como bem destacou Érico Borgo (www.omelete.com.br), a ideia não é comercializar bonequinhos no final da sessão, nem mesmo repetir a fórmula de grandes heróis infalíveis ou sinalizar a parte 2 da trama.
Indo na contramão de tudo o que se acredita ser rentável e padrão de sucesso no cinema, Up aposta em um roteiro baseado na relação entre personagens que estão em extremos diferentes da vida humana, sem cair no batido e estereotipado velho ranzinza e solitário que muda sua relação com o mundo após o convívio com uma criança. Ambos têm motivações diferentes no curso da aventura que percorrem juntos – a inusitada viagem em uma casa que voa sustentada por balões coloridos -, mas agem de forma muito semelhante: carregam consigo objetos investidos de experiências vividas.
Russell, um escoteiro, assim como Carl no passado, segue curioso e busca construir uma história, algo desejado e ainda não vivido. Conquistar a insígnia de ajuda a idosos é a garantia para todos de que realmente viveu aquele momento.
Carl não, ele percorre a trama, o tempo todo, na busca de encontrar um sentido, ressignificar sua vida, tentando restituir desejos do passado, carregando tudo o que lhe resta além de si, a casa, seus objetos e a saudade da esposa falecida. Não os trata como simples objetos, mas como algo que diz respeito a sua biografia, pois envelheceram junto com ele e trazem consigo as histórias que viveu, e que são apresentadas ao espectador em uma sequência de imagens, sem qualquer narração verbal. Podemos assim, em consonância com o velho, entender suas ações e decisões. Porém, o isolamento e a perda da função social vão sendo encaminhados para a destituição de seus direitos: o velho é tratado como alguém que não mais pode cuidar de si e também não é respeitado, entendido na sua relação histórica/biográfica com suas posses, casa, objetos.
O grupo econômico dominante dita as regras e o destino do velho: pressiona-o para que abandone sua casa para dar espaço ao progresso, como se ele não fosse capaz de entender e julgar suas necessidades, desconsiderando toda a história que está por trás das suas decisões. Mas Carl resiste, levando consigo seu lugar de pertencimento...
Algo que fortalece o vínculo entre velho e menino é que este também vive o abandono, na figura de um pai ausente. De início rejeitado por Carl, Russell vai conquistando o velho, até que, no final, alimentados por essa parceria, ambos voltam a viver mais livremente: Carl sem toda a nostalgia do passado e Russell aberto a novas experiências, para além da obsessão pelo escotismo.
Por essas e por outras, mais um filme da Pixar para toda a família!


Voltar

Compartilhe: