15 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

29/04/2010
Lucia Masini
Filme: As Melhores Coisas do Mundo

Laís Bodansky


Fazer um filme sobre adolescentes não é fácil. Fazer um filme sobre adolescentes para adolescentes não é nada fácil, porque eles costumam ser arredios e desconfiados quando são o centro das atenções. Fazer um filme sobre adolescentes para adolescentes e adultos assistirem é tarefa quase impossível, porque geralmente se a linguagem serve para um, muito provavelmente não vai agradar o outro público. Mas, Laís Bodansky, diretora dos consagrados Bicho de Sete Cabeças e Chega de Saudade, conseguiu esta façanha com graça, realismo e emoção.
As melhores coisas do mundo é um retrato fiel da vida de adolescentes de classe média paulistana, onde o filme é ambientado. Pode, no entanto, representar o jovem de qualquer parte do mundo, pois trata de temas característicos a essa complexa fase do ser humano. Crises familiares, pressão social em relação à sexualidade, fim do primeiro namoro sério, bulling, decepções com os amigos, dúvidas em relação ao futuro são alguns dos temas abordados na velocidade e profundidade próprias da contemporaneidade.
Mano, apelido de Hermano, um garoto de quinze anos, é o fio condutor da história. Partilhando de seus pensamentos, ao longo do filme, vemos uma garotada às voltas com conflitos que, sob a ótica juvenil, assumem proporções exageradas. “O que é que você entende da vida?” pergunta sua mãe quando ele se rebela contra o pai, por ter saído de casa para viver uma paixão. Na hora, Mano se cala, pois talvez não a entenda de fato. Mas não foge da tarefa de enfrentar seus medos e anseios em entender sua vida, que ele define como sendo um grande paradoxo.
Não fosse a presença de Denise Fraga, José Carlos Machado, Paulo Vilhena e Caio Blat no elenco, muito facilmente pensaríamos estar diante de adolescentes em suas situações cotidianas reais, tamanha a naturalidade com que os jovens atores circulam nas cenas.
Tal feito deve-se ao trabalho do roteirista, que não se contentou apenas em adaptar para a tela os livros da série Mano, escritos por Gilberto Dimenstein e Heloisa Prieto. Luiz Bolognesi convocou adolescentes para ajudá-lo a escrever os diálogos e as situações escolares. O resultado é impressionantemente natural: o público adolescente se identifica e o adulto reconhece ali seu filho, sobrinho ou neto.
Vale ressaltar o destaque dado às formas de comunicação e expressão dos adolescentes. Engana-se o adulto que diz que a juventude de hoje não mais lê ou escreve. O filme nos mostra o quanto ela faz uso cotidiano da leitura e da escrita, sendo fundamental compreendermos quais as situações letradas que lhe são mais significativas.
Embora o bom e velho diário sobreviva, guardando o registro das inquietações de uma jovem, certamente, o celular e a internet encabeçam a lista dos meios em que mais circulam a palavra do jovem. E é bom que ninguém menospreze o seu poder de grandes aliados e vilões na adolescência contemporânea. Ao mesmo tempo em que disseminam uma fofoca, caracterizando o ciberbulling, tão bem marcado na trama, salvam a vida daquele que não sente ter interlocutores à sua volta.
O que fica evidente, e talvez seja a grande mensagem do filme, é a necessidade de os jovens se manterem abertos ao diálogo com a vida, ainda que com irreverência e mais discordâncias que concordâncias. Aos adultos cabe a delicada tarefa de deles se aproximarem com a familiaridade de quem também já foi jovem um dia, mas principalmente com disposição para descobrir e aprender com o outro sempre novo.
E, afinal, quais são as melhores coisas do mundo? Assista ao filme e tire suas próprias conclusões.


Voltar

Compartilhe: