15 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

Excesso de terapias pode não trazer benefícios à criança e ao jovem

Verdade

Em artigo publicado no caderno Equilíbrio do jornal Folha de S. Paulo (edição especial sobre psicanálise), Rosely Sayão alerta para o excesso de tratamentos psicoterapêuticos e similares que têm sido prescritos às nossas crianças e jovens, cada vez mais precocemente. Ocorre que modos de ser e agir que já foram considerados naturais de determinados momentos do desenvolvimento vêm sendo vistos como indicativos de patologias futuras. Os tratamentos teriam como função de cuidado preveni-las. Dito assim, não parece um problema; ao contrário, pode parecer um bom caminho de resolução. Sim, desde que, de fato, esses modos de ser e de agir emitissem esses sinais. Emitem outros: são muitas vezes tentativas da criança em comunicar que algo não vai bem em casa, o que envolve pai, mãe, irmãos. Então, por que um membro apenas dessa família deve se submeter a tratamentos vários? Estabelecer esse tipo de identidade, a do doente da casa, o garoto(a)- problema, aquele que tem dificuldades na escola, ou pensamento confuso e tantas outras, cada vez mais refinadas segundo o logos positivista (TDAH, dislexia, etc.), em nada contribui para a constituição dessas crianças como pessoas criativas e capazes de compartilhar questões e contribuir com novas inquietações e construções.

Vale a dica: não se trata de negar a pertinência de muitos trabalhos terapêuticos que ajudam de fato a emoldurar dificuldades impeditivas de realização de projetos. Mas é importante que os pais estejam atentos para o excesso de indicações, muito comum no espaço escolar, em especial. E também que afinem seus sentidos para compreender de que modo podem contribuir para situações de tensão e conflito vividas por seus filhos.


Voltar

Compartilhe: