16 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

25/11/2010
da equipe
Educação Medicalizada: que sociedade queremos afinal?

Nesta semana, a Folha de S.Paulo publicou reportagem sobre o I Seminário Internacional A Educação Medicalizada: Dislexia, TDAH e outros supostos transtornos. O evento foi organizado por entidades como CRP/SP, Sedes Sapientiae, UNIP, Pediatria da UNICAMP, Grupo Queixa Escolar, nossa associação Palavra Criativa – IFONO, entre outras. O evento contou com a presença de diversos especialistas do Brasil e do exterior, sendo o ponto central dos debates a medicalização da sociedade e, mais especificamente, das dificuldades de aprendizagem escolar.
Foram oferecidos subsídios para a discussão e o posicionamento frente às políticas públicas que têm sido propostas por meio de leis e de programas de ação. Um dos convidados estrangeiros, o neurologista Steven Strauss, fez duras críticas à medicalização da educação, afirmando que são tantas as variáveis do processo de alfabetização de uma criança que seria perigoso resumi-las em uma só. Além disso, “não há nenhuma prova fisiológica, neurológica ou física que associe direta ou indiretamente TDAH a crianças com dificuldades de ler e escrever, outras questões devem ser consideradas nestes casos”.
Também a pediatra Maria Aparecida Moysés alertou para o equívoco nos estudos estatísticos que estão sendo realizados na área, segundo os quais de 10 a 15% da população brasileira sofre de dislexia. “Em saúde, nós não lidamos com porcentagem. Quando falamos de porcentagem é para desnutriçao, verminoses, que são problemas sociais. Quando se fala em doenças biológicas, falamos em 1 para 100mil, 1 para 1 milhão - 10% é assustador, 20% é uma epidemia, uma epidemia de incapacidades. Realmente está sendo exagerado, muito exagerado” (Confira a entrevista mais abaixo).
A Fonoaudiologia também se fez presente nesse importante debate: Rejane Barbosa Rubino, da DERDC/PUCSP, ministrou o mini-curso: Dislexia: questionamentos para a Educação. Os problemas e as controvérsias que cercam a categoria diagnóstica dislexia foram examinados e debatidos.
E nosso grupo do IFONO, além de contribuir com a organização do evento, coordenou a Oficina de Escrita - um momento bastante rico em que pudemos apresentar outras formas de abordagem da linguagem escrita, trabalhando com capacidades leitoras e escritoras e questionando as avaliações tradicionais, que acabam levando a diagnósticos e tratamentos equivocados em casos de dificuldades para ler e escrever.
O evento foi palco também para o lançamento oficial do Fórum Sobre Medicalização da Educação e da Sociedade. De caráter político e de atuação permanente, o Fórum tem por finalidade articular entidades, grupos e pessoas para o enfrentamento e a superação do fenômeno da medicalização, bem como mobilizar a sociedade para a crítica à medicalização da aprendizagem e do comportamento. Para tanto foi produzido um manifesto, com as diretrizes do Fórum, que convida pessoas e entidades a serem signatários desta mobilização.
Durante a mesa-redonda “Medicalização e Políticas Públicas”, o vereador Eliseu Gabriel, representando a Câmara Municipal de São Paulo, anunciou um projeto de lei, de sua autoria, instituindo 11 de novembro como o Dia Municipal de Luta contra a Medicalização na Educação.
Um público em torno de mil pessoas compareceu ao encontro. Para aprimorar as discussões, o Seminário ofereceu aos participantes conferências, mesas-redondas, minicursos, oficinas e exposição de vídeos e de trabalhos em painéis (85 trabalhos foram selecionados), além de performances artísticas. Também foi lançado o livro Medicalização de Crianças e Adolescentes. Conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos, organizado pelo Conselho Regional de Psicologia de São Paulo e pelo Grupo Interinstitucional Queixa Escolar. É a primeira publicação do gênero no Brasil, e também conta com a colaboração de fonoaudiólogas, entre elas Claudia Perrotta.

É fundamental que todos nós nos posicionemos frente a este tema. Divulgue em suas listas, compartilhe e discuta. Para conhecer o manifesto de lançamento do fóum sobre medicalização da educação e da sociedade,
acesse aqui.

Já contamos com a adesão de 27 entidades e com 450 assinaturas de participantes do Seminário.

Assista a entrevista com a pediatra Maria Aparecida Moysés





Voltar

Compartilhe: