15 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

Conversar com uma criança sobre a morte de alguém conhecido é uma forma saudável de elaborar a perda

Verdade

Há quem diga que falar sobre o morto é prolongar o martírio, que o melhor é esquecer. E, assim, procura-se evitar as tentativas de comunicação da criança sobre sua dor. Evita-se comentar seus desenhos, evitam-se seus choros e seus momentos de tristeza e depressão.
Contrariando o que parece ser senso comum, conversar sobre a morte é algo doloroso mas saudável e ajuda a criança a compreender o significado do “nunca mais”. Nunca mais ver a pessoa que morreu, nunca mais sair com ela, nunca mais sentir seu abraço.
O diálogo também cria novos sentidos para esse “nunca mais” porque presentifica, pela memória, aquele que se foi. Pela memória, a criança tem diante de si a vida completa do ente querido que morreu e, com a ajuda de um adulto acolhedor, pode dar acabamento aos seus sentimentos e saudades. Pela memória e pelo diálogo, pode recuperar experiências vividas juntos, imaginar novas situações, ouvir-lhe a voz. Com o tempo, o convívio com essa ausência ganha outros contornos, que possibilitam ir adiante, sem a pretensão de superar a dor, mas sim de sutentá-la e ressignificá-la, sempre.

Vale a dica: Não deixe de trazer a pessoa que partiu para o cotidiano da criança, seja através de rituais, desenhos, álbuns, lembrando histórias divertidas, hábitos ou características de personalidade, momentos prazerosos vividos em família. Aliás, isso vale também para os adultos!


Voltar

Compartilhe: