15 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

02/09/2010
Claudia Perrotta
Até quando a preocupação com a educação vai ficar só no discurso?

No mês de julho, o jornal Folha de S. Paulo divulgou uma pesquisa pra lá de preocupante. Neurologistas do Hospital das Clínicas aplicaram um teste escrito em 312 adultos alfabetizados, de diferentes idades e níveis de escolaridade, todos acompanhantes de pacientes. As questões eram bem simples e escritas com letra bastão.
Um exemplo:
"Dado 1: o remédio deve ser tomado uma hora antes do almoço. Dado 2: o almoço é às 12h. Pergunta: a que hora você deve tomar o remédio?"
Das pessoas que responderam, 23,5% não entenderam perguntas como essa, sendo que, dentre as menos escolarizadas (até sete anos de estudos), o índice atingiu quase 60%.
Trata-se do analfabetismo funcional, que, segundo dados da reportagem, também está presente entre aqueles que cursaram o ensino médio: 14% dos que frequentaram a escola de 8 a 11 anos.
Ou seja: a pessoa consegue decodificar o que está escrito, mas não ler efetivamente, que é compreender, atribuir significado. No caso das receitas médicas, uma boa parte dos pacientes, por exemplo, corre o risco de tomar o remédio na hora errada:
“Quando o paciente diz que lê e escreve, o médico explica uma vez, dá a receita e pronto. Não imagina que é analfabeto funcional", afirma o neurologista responsável pelo estudo.
Diante desses resultados, os médicos vêm criando “táticas”; assim, em vez de escreverem nas receitas "tomar um comprimido de manhã e outro à noite", simplificam para: "2 por dia", pois, segundo eles, é mais fácil entender os números...
Mas essas táticas nada mais são do que paliativos – podem ajudar a resolver um problema imediato da área de saúde, pontual e urgente. São válidas, mas, obviamente, não atingem o ponto central do problema.
Ainda na reportagem, a professora de metodologia da alfabetização da Unesp, Onaide Schwartz, adverte: a escola brasileira não consegue alfabetizar plenamente - "O professor não usa jornal, letra de música ou panfleto de supermercado. A criança acha que a leitura não é da vida real, que é só uma atividade escolar”.
Essa é, de fato, a questão: a linguagem escrita, no geral, continua a ser apresentada no contexto escolar através de exercícios exaustivos, treinos descontextualizados, sempre muito distante de seus usos sociais e cotidianos. Também o tempo de experimentação, de brincar com as letras, palavras vai sendo cada vez mais abreviado, dando lugar à imposição de padrões de apreensão de conteúdos. Ainda prevalecem, tanto na escola pública como privada, práticas em que a escrita aparece como imutável, sem vivacidade, algo já acabado, pronto para ser adquirido, sem questionamentos. Massa dura, impenetrável, os alunos não vislumbram a possibilidade de nela imprimir aspectos de si, banhá-la de subjetividade. Com isso, afastam-se muito cedo de situações letradas e acabam perdendo a possibilidade de se apropriarem desse objeto cultural, para, a partir dele, construir conhecimentos, criar sentidos, atribuir significados, e até mesmo compreender informações básicas, como as que apareceram na pesquisa do HC.
A preocupação com a educação não pode ser apenas discurso de candidato a cargo eletivo. Todo governante eleito, seja do âmbito federal, estadual ou municipal, deve ir além de seus slogans de campanha. "Educação para todos" precisa, com urgência, ganhar o significado de efetiva aprendizagem para pleno exercício da cidadania. E isso requer, indiscutivelmente, uma análise profunda do ensino da linguagem escrita no país. Será que ele passa no teste do HC?

Em tempo: segundo site da UNESCO (www.unesco.org), no dia 31 de agosto, entidades ligadas à educação entregaram aos principais candidatos à eleição deste ano uma carta-compromisso contendo os desafios e compromissos prioritários para garantir uma educação de qualidade a todos os cidadãos brasileiros. Vamos acompanhar... e cobrar!

Voltar

Compartilhe: