16 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

01/10/2009
da equipe
Adeus esferográfica!

Recentemente, o jornal Folha de S. Paulo publicou uma interessante e polêmica matéria no caderno Folhateen (23/03/09): na era digital, ainda faz sentido exigir dos alunos uma boa caligrafia?
Afinal, a meninada hoje escreve em blogs, MSN, emails, Orkut, além de preferir mensagens de texto por celular (SMS). Canetas, lápis, canetinhas, giz de cera, lapiseiras vão dando lugar a mouse, joystick, controles remotos, teclados, celulares... Alguns, inclusive, já levam laptop pra sala de aula, e podem usufruir dos corretores ortográficos, da tecla delete, da legibilidade sem esforço e ainda arquivar as matérias.
Em contrapartida, há educadores que insistem na escrita manual, argumentando que ainda vai demorar muito tempo até que a maioria dos estudantes tenha acesso à informatização. E há ainda outra questão: no Brasil, exames de admissão em universidades, concursos públicos e outros empregos estão longe de adotar o sistema de um computador por avaliado, o que seria necessário para garantir a idoneidade nas provas.
Parece se tratar de um tema em que todas as partes têm sua parcela de razão! Obviamente, ainda vai sim demorar um tempo até que o acesso à informatização seja, de fato, universal, mais ainda para aqueles que nem acesso têm a uma boa alimentação. Mas também é fato que os computadores já são uma realidade em muitas salas de aula e tendem a invadir cada vez mais as escolas, substituindo antigos instrumentos de registro. Com isso, a exigência de uma boa caligrafia vai perdendo seu valor, embora ainda prevaleça a ideia de que precisamos ter, ao menos, uma letra inteligível, caso nosso objetivo seja mesmo nos comunicarmos e o único recurso à mão seja a velha e boa esferográfica. Estamos mesmo fadados a conviver com a coexistência do arcaico e moderno, e isso não deve mudar tão cedo!
Mas há ainda um outro ponto a ser destacado. Letra feia se revela muito mais que um distúrbio, a chamada disgrafia, como procuram diagnosticar alguns especialistas. Letras miúdas, perna do s alongada ou encurtada, pouca pressão no papel, letras tremidas podem ser indicativos, por exemplo, de tentativas de escamotear dúvidas quanto à ortografia, ou insegurança quanto ao que se tem a dizer. Inclusive, pode sugerir uma forma de exercer o poder; basta lembrarmos da “letra de médico”. Escrever à mão é pessoal e nem sempre é fácil expor o que se tem a dizer. A estética da letra bonita não pode, portanto, ser um padrão universal. Repetimos: o limite está na legibilidade do texto escrito.
E o mais importante nesta história toda é aprender a escrever bons textos, em diversos gêneros – cartas formais e informais, texto de opinião, narrativas, relatos em blogs etc. – e com estilo! A letra? Bem, pode ser arial, verdana, calibri, tahoma, times...


Voltar

Compartilhe: