16 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

03/09/2009
Lucia Masini
Exposição: A França para os brasileiros

Museu da Língua Portuguesa

Assim como os franceses, no ano passado, aproximaram-se da história e da cultura brasileira, agora é a nossa vez de conhecer os modos de ser e viver dos franceses. A França está sendo apresentada, discutida e homenageada em diversos estados brasileiros. E São Paulo está fazendo a sua parte com criatividade e beleza. Entre outros eventos, destacamos a exposição: O Francês no Brasil em todos os sentidos, no Museu da Língua Portuguesa.
A ideia é mostrar a influência francesa na língua, cultura e artes brasileiras.
A influência na língua, em alguns contextos, nos parece óbvia. Com muita naturalidade, dizemos que o croissant e o petit four servidos na vernissage estavam deliciosos. Coisas do chef de cozinha, com conhecimento da nouvelle cuisine . Só podia ser francês, certo? Aquele povo que veste paletó, gola role, collant, biquíni, em lamé, cotelê, ou chiffon.
O curioso é saber que esta gente que prima pela elegância e pela qualidade de sua fina cozinha assina a autoria do provérbio: ce qui ne fue pas fait grossir, ou melhor, o que não mata engorda. Dá para acreditar? Então, é bom que o leitor saiba também que o jeans, que a gente jura que é coisa de americano, é uma corruptela de gênes, nome francês para Gênova, onde os marinheiros usavam calças com este tecido grosso de algodão.
Ao longo da exposição, outras tantas surpresas bem vindas e bem humoradas, como a palavra cachenê. Seguindo a lógica de cachecol, um velho conhecido, que cobre os pescoços, nos nossos invernos tropicais, cachenê, muito útil em tempos de gripe suína, cobre o nariz. É a França lançando moda.
Outra curiosidade: Sem lenço e sem documento, nada no bolso ou nas mãos é um trecho da famosa canção Alegria, Alegria de Caetano Veloso; isso todo mundo sabe, como também logo reconhece referências à França, como Brigitte Bardot. Mas o que pouca gente deve saber é que este trecho é justamente o final do livro As Palavras de Jean Paul Sartre – Nada no bolso, nada nas mãos. A citação, quase literal, evidencia algo que vem de longa data: a influência de escritores franceses em diversos movimentos literários brasileiros. Na exposição, o visitante comprova a tese lendo trechos de Castro Alves e Victor Hugo, ou Haroldo de Campos e Mallarmé, entre outros.
A língua francesa é hoje falada por 180 milhões de pessoas, de diferentes partes do mundo. Do Oiapoque, que faz fronteira com a Guiana Francesa, ao Senegal, a afirmação é a mesma: o francês agrega, cria oportunidades, rompe fronteiras. E quem fala o melhor francês? Quem faz a língua é o falante. O importante é considerar as raízes do povo e o falar naturalmente, respeitando seu modo de ser. E isso vale para qualquer língua, certo?
Por fim, algumas contribuições da sétima arte que também estão presentes: Le cinéma est fait pour tous ceux dont la curiosité est le plus grand défaut. O cinema é para aqueles cujo maior defeito é ser curioso (Claude Lelouch). Le cinema c’est um stylo, du papier et dês heures à observer Le monde et lês gens. O cinema é uma caneta, folha e horas observando o mundo e as pessoas (Jacques Tati).
Então, seja curioso e aguce seu poder de observação. Aquele que visitar o Museu da Língua Portuguesa (a exposição fica até 11/10) certamente vai se encantar e enriquecer não só seu vocabulário como também seu conhecimento de mundo.
Para maiores informações, acesse: http://www.estacaodaluz.org.br/


Voltar

Compartilhe: