16 de Dezembro de 2018


     Fale conosco     Fale conosco
 
ProfissionalProfissional
GeralGeral
ConsultoriaConsultoria
HomeHome
NósNós
Na Boca do PovoNa Boca do Povo
Linguagem com PipocaLinguagem com Pipoca
Mito ou VerdadeMito ou Verdade
PublicaçõesPublicações

26/11/2009
Lucia Masini
Biografias de quem partiu: novidade em obituários

Obituário: à medida que envelhecemos, esta passa a ser uma das primeiras seções que lemos nos jornais...
O olhar é fugaz, mas atento. Não queremos nos deparar com uma notícia inesperada, mas somos compelidos a ver os nomes, as idades e adivinhar-lhes a vida. Não há quem não compare as idades... “puxa, esse morreu tão cedo... Terá sido acidente?”; “E esse, que vida longa! Morreu aos 101 anos! Será que eu chegarei lúcido até lá?”...
Até bem pouco tempo, a coluna de obituários, em jornais de grande circulação, era breve, quase uma lista de nomes, idades e a informação se o falecido deixava parentes próximos. Mas o leitor atento vem percebendo que a seção no jornal Folha de S. Paulo ganhou novos contornos. Segundo um dos colunistas, Estêvão Bertoni, a ideia partiu da direção, embora não saiba exatamente o que a motivou. Uma coisa é certa: “o único critério para aparecer na coluna é ter morrido. Pode ser rico ou pobre, branco ou negro, não interessa. A maioria das pessoas tem uma história de vida interessante, só falta alguém para contá-las”.
A respeito da elaboração dos textos, diz: “Eu sempre tento falar com familiares, pois acredito que a informação vinda deles é mais segura. Na maioria das vezes, entro em contato por telefone. Quando a família prefere não falar, converso com amigos próximos”.
A coluna Obituários, certamente, aumentará o seu público confesso, pois os textos ali publicados revelam-se breves biografias que cumprem um duplo papel: o de prestar uma última homenagem a quem, por vezes, não ganhou em vida tal deferência, e o de levar seus leitores a refletirem que toda forma de viver tem seus sentidos e vale a pena ser vivida e contada para outras pessoas. Falar da morte e do morto deixa de ser tabu para ser possibilidade de elaboração da perda e valorização da vida. E isso faz tanto sentido que Estêvão já recebeu um pedido inusitado de um leitor de vinte e poucos anos: quando morresse, gostaria de ter um obituário escrito por ele. Tomara estejamos todos aqui para ler mais essa história.
Leia também outros textos sobre o tema nas seções Linguagem com Pipoca e Mito ou Verdade.


Voltar

Compartilhe: